quinta-feira, 19 de março de 2009

Indiferença Em Soneto


Estás indiferente ao saber
Que hoje habita os meus delírios.
Me machuquei
Nos espinhos dos seus lírios.

A indiferença é a mentira
Que corta os laços,
Que faz do querer doença
E desnorteia os passos.

O inconstante, impreciso, inseguro
Nunca desce do muro,
Enlouquece e desmerece o amor no escuro.

Aquele que se arrisca a sentir
Até se deixa enganar,
Mas não consegue mentir.

Leandra Vianna

4 comentários:

Dani disse...

ola.. to visitando seu blog,
gostei do post, e o estilo do blog tambem.
bem arrumadinho, organizado!!
parabenss!!!


http://nadadelicada.blogspot.com/

alexandra disse...

oi, tou passando aki soh p registrar q adorei o seu blog, vc escreve mt bem...se garante demais...eu jah tinha visto umas coisas no blog faz um tempo jah...adorei uma poesia q vc postou sobre o relacionamento de mãe e filha...num sei se vc lembra, mas procurei aki no seu blog e naum achei mais :( e tinha outra tb falando sobre a humanidade...dizia q era melhor nem ter "evoluído" e ter ficado td primata mermu...rsrs pow se vc puder mandar p mim essas duas poesias eu ficaria mt grata...heheheh meu e-mail eh axa_cor@yahoo.com.br
obrigada!
=P

Ombudsman Poético disse...

Alexandra, obrigada pelas visitas e fico muito feliz que goste das leituras daqui, seja sempre muito bem vinda. Enviei um e-mail com as poesias que vc pediu.

prazeranonimo disse...

legal, é difícil encontrar sonetos modernos e bons, mesmo sem ter a métrica seguida à risca. da dinamismo e ressalta a modernidade, parabéns.